Após Roma ocupar a Península Ibérica, idioma se desenvolveu incorporando fala de povos locais

Derivada do latim, língua portuguesa é a sétima mais falada no mundo

Giuliana Miranda – COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, EM LISBOA

O português é a língua oficial de nove países e tem mais de 260 milhões de falantes. De acordo com o instituto americano SIL International, há mais de 7.000 idiomas no mundo, e o português é o sétimo mais falado.

A história da língua começou em uma fatia da Península Ibérica, como se pode ver no projeto da Folha  “O Tamanho da Língua”, que explora a história, a diversidade e as curiosidades do idioma português.

Parte do grupo das línguas românicas, que inclui o espanhol e o italiano, entre outras, o português é derivado do latim —idioma que teve origem na Itália, na pequena região do Lácio, onde está Roma.

O latim se disseminou pela Europa juntamente com a expansão do domínio do Império Romano.

Foi com as tropas romanas que o latim chegou à face sul do continente europeu (onde hoje estão os territórios de Portugal e Espanha), entre os séculos 3º e 2º a.C.

Devido a ocupações anteriores, a Península Ibérica já tinha a presença de outros povos (e suas línguas, por consequência), como os celtas. Ao longo do tempo, o latim falado foi incorporando elementos linguísticos dessas e de outras populações.

Quando o Império Romano ruiu, no século 5º d.C., a Península Ibérica já estava totalmente latinizada, e o idioma manteve-se em uso por seus habitantes.

Monumento aos Descobridores – Lisboa / Portugal

Com as invasões dos povos bárbaros, como visigodos, e dos árabes posteriormente, a língua dessa região ganhou mais influências e acabou se diferenciando das demais derivadas do latim. Nascia assim o galego-português. ​

“O galego e o português representam duas faces do mesmo rosto, que é o idioma chamado também, por estudiosos portugueses, de galaico-português”, afirma o gramático Evanildo Bechara, filólogo e membro da Academia Brasileira de Letras.

“Do ponto de vista gramatical, o português tem características que eram do latim arcaico e que não sobreviveram no latim mais moderno que se implantou na Itália e na Gália [região na França e na Espanha]”, diz Bechara.

DIVERGÊNCIAS

Entre os linguistas e historiadores, sobretudo em Portugal e na Espanha, a separação entre galego e português ainda é alvo de controvérsia. Há discordâncias como a data da diferenciação e a determinação de que se trata realmente dois idiomas distintos.

No meio acadêmico brasileiro, no entanto, a questão suscita menos polêmica.

Segundo o livro “História da Língua Portuguesa”, da professora Maria Cristina de Assis, a criação do reino de Portugal, proclamada por dom Afonso Henriques, primeiro rei português, no século 12, foi decisiva para a consolidação da língua portuguesa separadamente.

Turistas tira foto da Torre de Belém, às margens do rio Tejo, na capital Lisboa
Turistas tira foto da Torre de Belém, às margens do rio Tejo, na capital Lisboa – Lalo de Almeida/Folhapress

“A separação entre galego e português, que começou com a independência de Portugal (1185), vem se efetivar com a expulsão dos mouros em 1249 e com a derrota em 1385 dos castelhanos que tentaram anexar o país. O galego foi absorvido pela unidade castelhana e o português tornando-se língua oficial nacional de Portugal”, relata.

Para o diretor do Departamento de Estudos Portugueses da Universidade do Minho, em Braga, Álvaro Iriarte Sanromán, mais importante do que estabelecer um marco temporal de separação dos dois idiomas é reconhecer a língua como um instrumento em permanente mutação.

“Temos de ter cuidado com discursos sacralizadores da língua, do discurso que tem a língua como símbolo de identidade. Ela está viva porque funciona como veículo de comunicação”, afirma.

No século 15, com a expansão marítima de Portugal, a língua foi espalhada por suas colônias. O uso de outros idiomas ou dialetos locais era, muitas vezes, proibido.

Hoje há muito mais falantes de português fora de Portugal, que tem apenas 10 milhões de habitantes.

Colaborou THAÍS NICOLETI DE CAMARGO, consultora de língua portuguesa da Folha.

 

Escrito por Paul Sampaio

PAUL SAMPAIO CHEDIAK ALVES é professor, locutor, apresentador de rádio e TV, web designer e diretor fundador da REDE SAMPAIO de Televisão e Sites.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s